O eco
do silêncio

CECÍLIA VILAS BOAS

Esfera Contemporânea / 39
96 pp

Formato: 15 cm x 22 cm
ISBN: 978-989-680-073-4
Data de Publicação: Setembro de 2012
PVP: 10,90 euros
 

O eco do silêncio é prazer, paixão, sonho. São aromas inebriantes, que fazem as delícias do corpo e do espírito. São os toques aveludados das pétalas das rosas. É o grito às entranhas da terra e é o pássaro de olhar puro que voa na melancolia da noite. São perfumes de gerânios e é o místico nevoeiro que abraça os bosques, nas noites em que as sílabas dormem. São os violinos suspensos das asas das nuvens. “Sabes, amor? Trazes no teu sorriso rosado o desfolhar dos meus lábios…

Com esta obra mergulhamos nas profundezas da alma, numa procura incessante da essência do ser. Ela é uma busca de um tempo sem tempo, de um reviver e de um morrer consentidos. Ela é, também, a pele frágil do sentimento, de que se reveste a palavra, e as rosáceas duma trilha que se chama vida, e uma viagem aos nossos lugares mais recônditos, através de metáforas que desventram o que de mais genuíno possuímos – o sentir.

“O livro O eco do silêncio, de Cecília Vilas Boas, é a afirmação de uma poetisa capaz de transmitir, com excelência, sentimentos e afectos que, correndo nas suas veias, lhe invadem a alma. O seu romantismo interior, por vezes atormentado, expressa-se com elegância em emoções e sonhos que são vivenciados, como ecos, no seu silêncio interior. Uma leitura a não perder.”Joaquim António Machado Caetano, Professor da Faculdade de Ciências Médicas da Universidade Nova de Lisboa

SOBRE A AUTORA:
Cecília Vilas Boas. Nasceu em Paio Pires, mas vive em Lisboa há mais de duas décadas. É secretária de Administração numa empresa de Engenharia de Transportes. Descobriu recentemente o prazer da escrita, e até hoje não parou. Publicou a sua primeira obra, Âmbar e Mel - Janelas de Poesia, em 2011. Como co-autora, participou na antologia poética Entre o Sono e o Sonho e, mais recentemente, na colectânea Contos do Nosso Tempo. Deu a conhecer a sua escrita publicamente no blogue «OceanoAzul.Sonhos», permitindo aí que as palavras se soltem de si e vagueiem pelo mundo literário. “A poesia dá-me as asas metafóricas de que preciso para continuar a sonhar. É na escrita que marco encontros sigilosos com o meu ser, ouvindo-o e dando-lhe voz, através das palavras.Sou, muitas vezes, o vazio, o desencanto e a ausência de mim própria. Mas também a esperança, a força, o sonho e a tranquilidade. A poesia é o sândalo do meu espírito, onde busco as emoções desprovidas de escudos. É o recanto onde aprendo a silenciar momentos e a ouvir a voz da minha alma. Recolho-me no silêncio das palavras, para me encontrar e, assim, sair de mim.”