Os Filhos
de Maomé
A oposição entre sunitas
e xiitas no Médio Oriente

FRANCISCO SOROMENHO-MARQUES

Ensaios / 38
112 pp

Formato: 16cm x 23,50cm
ISBN: 978-989-680-173-1
Data de Publicação: Abril de 2016
PVP: 10,90 euros
 

Islão, uma religião profundamente dividida em linhas sectárias e historicamente mar­cada por conflitos sangrentos.
Em Os Filhos de Maomé Francisco Soromenho-Marques propõe ao leitor uma viagem pela História do Islão e pela geografia política e religiosa do Médio Oriente. Desde a longínqua e turbulenta alvorada da religião fundada por Maomé à sangrenta e híbrida afirmação do Daesh como grupo terrorista global e proto-Estado, o autor convida-nos a olhar para uma das regiões mais instáveis do mundo, não pelas lentes do Ocidente, mas pelo esforço de compreender a secular dilaceração religiosa e identitária dos seus habitantes.

A complexa geopolítica do Médio Oriente.
Embora não se destine a um restrito público académico, esta obra nasceu duma aprofun­dada investigação científica.
Escrita numa linguagem envolvente, que compromete o leitor da primeira à última página, ajudará a distinguir o essencial do acessório na complexa geopolítica do Médio Oriente, que é uma parte integrante — para nós europeus — do nosso presente, e uma incógnita para o nosso futuro.
Longe de constituir um bloco monolítico, o Islão, como este ensaio bem o demonstra, só pode ser compreendido através das suas fundamentais e seculares tensões religiosas, com impactes políticos, económicos e culturais que, hoje, se fazem sentir em todo o mundo.

SOBRE O AUTOR:
Francisco Soromenho-Marques. Nasceu em Lisboa em 1990. Colabora actualmente com a Fun­dação Luso-Americana para o Desenvolvimento. Licenciou-se em História pela Universidade Nova de Lisboa. Tem uma pós-graduação em Estudos Diplomáticos pela Universidade Autónoma de Lisboa e um mestrado em Ciência Política e Relações Internacionais: Segurança e Defesa pela Universidade Católica Portuguesa. Desde cedo se empenhou no estudo do Médio Oriente e da dinâmica interna do Islão, interesse que saiu reforçado pela vivência que experienciou enquanto voluntário em Beirute, no Líbano, entre 2008 e 2009.